Inclusão digital

Rede de Capacitação, Produção e Desenvolvimento

Como exemplo de atuação temos o projeto Rede de Capacitação, Produção e Desenvolvimento – Rede Conhecimentos Livres. Este projeto tem o objetivo de levar às comunidades tecnologia e investimento nos projetos que são desenvolvidos por associações e ongs locais. A Moradia e Cidadania instala laboratórios digitais equipados com GNU-Linux e oferece apoio e desenvolvimento institucional na forma de capacitação para utilização e produção com software livre, acompanhamento metodológico focado em ações com maior impacto e retorno social, representação e auxílio na elaboração de projetos e captação de parceiros.

O projeto utiliza equipamentos em desuso que são doados pela Caixa Econômica Federal. Dentre os equipamentos encontram-se móveis e computadores que são recondicionados e doados para escolas, órgãos públicos e instituições parceiras.

Dentre os laboratórios instalados referenciamos:
02 na sede da Cruz Vermelha em Belo Horizonte e 01 no antigo SINE.

Estes laboratórios destacam-se pelo elevado número de usuários.
Ambos utilizados para oferecer cursos de preparação e aperfeiçoamento profissional.

A RCL, como preferimos chamar, possui diversas parcerias e já teve 08 laboratórios instalados em funcionamento simultâneo no ano de 2008:

Contexto:
A RCL-Rede de capacitação, produção e desenvolvimento, surgiu em 2005 a partir de circunstâncias peculiares, originadas pelo quadro sócio político e cultural, agravado pela imensa falta de estrutura física e logística, fundamentais para viabilizar o desenvolvimento de políticas públicas efetivas no combate à exclusão digital que na época afetava a grande maioria da população brasileira.

Neste sentido os programas de governo se voltaram para um aspecto do problema, a criação de estruturas comunitárias de acesso aos computadores e a web-rede mundial de computadores. Surgiram assim os Telecentros, Pontos de Cultura, Casas Brasil, Centros Vocacionais Tecnológicos, dentre outros.

Todas estas estruturas criaram uma grande rede de pontos de acessibilidade digital, neste sentido nossa ONG, aproveitando o convívio com o ambiente de desenvolvimento GNU-LINUX interno da rede Caixa, desenvolvemos uma alternativa tecnológica com LTSP, barata na época e que nos permitia também, reaproveitar as máquinas em desuso doadas pela Caixa a nossa instituição. Desta forma consolidamos a estrutura de nosso primeiro LDL-Laboratório Digital Linux, que veio somar com as outras alternativas implantadas pelo Governo Digital que criou o ONID-Observatório Nacional da Inclusão Digital, no qual estamos cadastrados.

Com a instalação de mais laboratórios para instituições de base com atendimento a comunidades de baixo IDH, parceiras da RCL, descobrimos que o acesso também ficaria seriamente comprometido, sem a devida capacitação e apropriação do conhecimento, por parte dos usuário e dos educadores digitais, atores principais da efetiva Inclusão Digital.

Neste novo contexto consolidou-se o conceito fundamental da RCL que ficou assim registrado metodologicamente “usuário ≠ aluno de informática e LDL ≠ da escola de informática”, assim compreendemos que o processo de apropriação do conhecimento surge através da capacitação e produção (participação ativa) com atividades criativas organizadas a partir dos meios digitais ao nosso alcance em constante evolução e desenvolvimento.

Atualidade:
A “Rede Conhecimentos Livres” (RCL), surge como um espaço de capacitação e desenvolvimento tecnológico, metodológico e educativo na apropriação do conhecimento e do universo digital. As máquinas são montadas com equipamentos produzidos na oficina de meta-reciclagem da Moradia e Cidadania, a partir dos computadores em desuso doados pela Caixa Econômica Federal.

Atualmente integram o projeto 11 instituições, 09 da região metropolitana de Belo Horizonte. A principal parceria é com a CAIXA, a qual encaminha os equipamentos eletrônicos em desuso para transformarmos em equipamentos operantes para beneficiar inúmeras entidades e ao mesmo tempo utilizamos como instrumentos na formação de jovens para qualificá-los para a inclusão no mercado de trabalho.

A  nossa  prioridade com o produto RCL é a capacitação e qualificação profissional de jovens oriundos de comunidades com vulnerabilidade social, no entanto, concomitante à  este processo  a rede de instituições solidifica-se a cada ano e contribui para o sucesso do projeto.

Nesse sentindo, torna-se necessário pensar a RCL como uma rede de articulação e fortalecimento das instituições, uma rede de formação social e um instrumento de reinserção de equipamentos obsoletos para o sistema atual no ciclo produtivo estamos contribuindo na inclusão social e profissional de crianças,  jovens e adultos para uma sociedade  mais sustentável.

Instituições que integram a RCL:
GREAMAR – Grupo de Estudos Alternativos do Bairro Floramar e Adjacências
UESA – União dos Estudantes Sabarenses
AFFAS – Ação Faça uma Família Sorrir
GASS – Grupo de Apoio Social Solidariedade
Casa Comum – Escritório Solidário
Conselho Comunitário Assis Chateaubriand do Vale do Jatobá
ASC – Ação Social do Caminho
CVB/MG – Cruz Vermelha Brasileira – Filial Minas Gerais
MOFUCE – Casa do Estudante
Caixa Econômica Federal
Moradia e Cidadania

Instituições com laboratórios em atividade:
00 – GASS – Grupo de Apoio Social Solidariedade
00 – CVB/MG – Cruz Vermelha Brasileira / MG
00 – Moradia e Cidadania / Sede Belo Horizonte
00 – MOFUCE – Casa do Estudante
00 – Casa Comum – Escritório Solidário
00 – UESA – União dos Estudantes Sabarenses
00 – AFFAS – Ação Faça uma Família Sorrir – Sabará

Outras instituições beneficiam-se indiretamente com o desenvolvimento deste projeto. É o caso da REDE SOL MG, uma central de cooperativas de reciclagem, que abrange a região metropolitana de Belo Horizonte e também recebe material de informática e assistência técnica operacional para desenvolver suas atividades. Outras instituições recebem equipamentos e mobiliários através de cessão em comodato ou doação.

Instituições beneficiadas indiretamente pelo projeto:
Ajax Futsal
Movimento de Luta Pro-Creches
Embaixada Do altíssimo
Sorriso Comunitário
Casa Lar Amigo Presente
Instituto de Geriatria Afonso Pena
Escola Municipal Aurélio Pires
Centro de Educação e Trabalho
Grupo Esotérico Mangabeiras
Instituto Silver de Referência da Assistência Social
Casa do menino amigo Presente
Casa da Criança
Alecrim Dourado
Associação da Escolinha Infantil Pedacinho do Céu
Creche das Rosinhas
Casa da Criança Santo Antônio
Santa Cruz De Cabralha
Instituição Espírita Lar de Marcos
ONG Mudança Já
REDE SOL MG
Instituto Sócio Cultural e Esportivo Alecrim Dourado
Movimento por um Mundo Melhor

As instituições que integram a RCL e enviam seus educadores para participar e promover as capacitações possuem autonomia para desenvolver procedimentos, técnicas e rotinas de atendimento ao público de sua localidade sendo balizados apenas pelo conceito norteador do projeto mencionado anteriormente e descrito novamente:

“Usuário Aluno de informática e Laboratório Escola de informática”

Metodologia das capacitações:
As capacitações ocorrem por meio de encontros semanais no laboratório da Moradia e Cidadania com a presença dos educadores e configura-se dividida em três eixos integrados durante o período de capacitação:

Formação técnica – Tem o objetivo de transmitir e divulgar o que já foi pesquisado e comprovado cientificamente. Preocupa-se com o conteúdo clássico, o conhecimento comprovado.

Formação sócio-cultural – Tem o objetivo de promover o olhar crítico frente as novas tecnologias e a sua função na sociedade como um instrumento de produção de conhecimentos.

Formação para educação social – Tem o objetivo de fomentar a discussão sobre a ótica da multidimensionalidade do processo ensino-aprendizagem, emancipação filosófica que pensa formas de intervenção buscando alternativas condizentes com a realidade, a partir de novos temas mobilizadores, emergentes e abertos à reflexão.

As capacitações tem como premissa estimular que os educadores exerçam um papel autônomo na busca e apropriação ativa de conhecimentos.

Share

Escola Digital

O projeto Escola Digital, em Uberlândia é fruto da parceria entre a ONG Ação Moradia e a ONG Moradia e Cidadania. Desenvolve atividades relacionadas aos conhecimentos técnicos de informática e inclusão digital. Proporciona a socialização, a melhora da auto-estima e interação entre as pessoas da comunidade. Tem como objetivo favorecer o acesso e a comunicação digital, o desenvolvimento tecnológico e cultural, bem como a promoção e minimização das diferenças sociais para população.

Outros benefícios foram a inserção sócio-cultural, bem como estímulo a profissionalização por meio das oficinas de montagem e reparo de computadores.

Público atendido: Comunidade no entorno dos bairros: Morumbi, Alvorada, Zaire Rezende, Celebridade, Joana Darc, São Francisco, Dom Almir e Prosperidade.

Acesse o blog do projeto: http://acaomoradia.blogspot.com.br/

Share